Vida Fake…

Vida Fake

Estou cansada de ver a vida inventada e postada na internet, mídias, redes sociais e afins. Na internet isso fica mais evidente, pois na web são os próprios usuários os “produtores” de conteúdo, assim postam o que querem mostrar:

– corpos perfeitos;

– viagens perfeitas;

– casa perfeitas;

– sorriso Colgate;

– casais perfeitos….

A internet virou depósito de vida imaginária, de representações de desejos e de causa de frustrações alheias.

Cadê os choros, os suores, os reais esforços? Cadê o sentimento de cansaço e de angústia? Cadê as brigas? Cadê as contas pra pagar? Cadê as desilusões?

Tudo na web parece ser perfeito demais.

Viva a vida fake!

Internet, apps, liberdade, piratas

Você também acredita que a internet te ajuda em tudo e se questiona frequentemente como era possível viver sem ela até pouco tempo atrás? Se entrega às últimas novidades de aplicativos? Acha que o Google é a invenção do século? Posta toda a sua intimidade na rede?

É bom você parar um pouco para ver a entrevista de Evgene Morozov, pesquisador bielorusso, que pensa nas contradições da internet. A internet vai resolver o problema da desigualdade social? É possível acabar com a espionagem? O que as starups fazem com os dados dos usuários? O que os governos fazem com esses dados? Atualmente Morozov residente nos EUA e acredita que temos sendo influenciados por um discurso da tecnocracia da internet e que isto seria um modo alienante de ver o mundo.

Ainda tenho pensando muito nos seus argumentos. Posso dizer que me fizeram parar pra pensar nas atuais políticas de inclusão digital brasileira.

Veja a entrevista do Programa Milênio aqui.