O último dançarino de Mao

Na última sexta-feira assisti ao “O ultimo dançarino de Mao”, filme que conta a história de Li Cunxin, um bailarino chinês que saiu de sua pequena aldeia e “ganhou” o mundo, no contexto da “Guerra Fria”. Dirigido por Bruce Beresford (2009), o filme conta a história desse personagem com uma dose de humor e de emoção (às vezes até demais para o meu gosto). Baseado na vida e obra de Li Cunxin (há também a autobiografia chamada “Adeus, China:o último bailarino de Mao”, publicada pela editora Fundamento) o filme narra a trajetória profissional do bailarino, desde do momento de sua escolha para participar de um teste em Pequim ao seu retorno a China anos depois. O ponto alto do filme são as apresentações de Li – impecáveis!!! Além do ator que protagoniza a infância na China, suas expressões são uma delícia de ver.
Apesar de toda beleza e entusiasmo, achei algumas cenas um pouco clichês e apelativas emocionalmente (vi algumas pessoas lacrimejanto ao sair da sala). Penso ser algo recorrente em filmes que falam de superação e de esforço demasiado, por: horas de treinamento, avaliações constantes, confronto com a sua cultura de origem e outros…
Apesar disso “O último dançarino de Mao” é um bom filme – não posso negar – mas se torna mais cult por estar no Belas Artes do que por outro motivo.