Festival e Mostra de filmes em BH

Essa semana em BH estão acontecendo dois festivais de cinema, quer dizer, um só começa amanhã.

Um deles está sendo organizado pelos curadores da sala Humberto Mauro, localizado no Palácio das Artes, expõe, nada menos que, a obra de Chaplin! Além dos filmes estão sendo ofertadas oficinas com dois críticos de arte super bacanas.

O festival que começou no dia 10 de agosto, com a exibição de Luzes da Cidade no Parque Municipal, tem programação até o dia 6 de setembro, com vários filmes da obra de Chaplin.

Confira aqui: http://www.palaciodasartes.com.br/imagensDin/Arquivos/6419.pdf

Como sempre, essa sala nos brinda com uma bela mostra de cinema.

O outro festival, a que me referi, é o Varilux Festival de Filme Francês 2012. Esse festival é super interessante! Já fui a outras edições e achei fantástico! Depois, alguns filmes entram em cartaz nas salas da cidade, outros, ficam só mesmo mesmo no festival (devido a defasagem de salas alternativas na cidade ficamos sem espaço para tantas produções cinematográficas, digamos “cult” — mas isso é papo pra outro post).

Então, este ano, o festival estará em 33 cidades brasileiras, no mesmo período, de 15 a 23 de agosto. Claro que, nas salas ditas “alternativas”. Em BH será exibido no Cine Belas Artes — Rua Gonçalves Dias, 1581. Porém, como estarei fora da cidade exatamente nos dias do festival. Terei de acompanha-lo em outra sala, mais especificamente, nas salas da Fundação Joaquim Nabuco em Recife.

A programação está em: http://www.variluxcinefrances.com/index.php

Blogs de moda e tals

Sabe, acho que essa coisa de ser blogueira é legal (mesmo que ainda não tenho muitos seguidores)! Esse é um espaço de dizer o que se pensa sobre qualquer coisa, de se expor, de mostar o que pensa. Houve um tempo em que as pessoas utilizavam os blogs como diários, em uma tradução literal, porém, hoje as coisas mudaram e as pessoas postam sobre o que pesquisam, o que gostam e até passam a ganhar dinheiro com isso. Esse “5 vícios” é onde tento opinar sobre o que eu gosto (apesar dos poucos posts por aqui).

Neste blog especialmente resolvi falar sobre os blogs de moda e como eles se proliferam pela web. Algumas das chamadas “it girls” – ou, as garotas que ditam tendências – postam fotos de seu look do dia, outras vasculham os editoriais de moda de revistas nacionais e internacionais para ilustrar seu espaço, há ainda as que experimentam produtos de beleza indicando o que é bom ou não, e as mais ousadas mostram suas criações.

Só para citar alguns:

Hoje vou assim — http://www.hojevouassim.com.br/

Modices —- http://modices.com.br/

Chata de galocha — http://www.chatadegalocha.com/

Imprimindo moda —- http://www.imprimindomoda.com.br/

Petiscos — http://juliapetit.com.br/category/home/

Há vários, alguns mais criativos que outros. Algumas das autoras já eram famosas, outras se tornaram famosas por terem criado o tal blog. Eu sei que, pelo o que contam, até passaram a ser convidadas para fazer escolhas de “looks” para lojas, para desfiles e essas coisas do mundo da moda… Elas repassam, claro, emitindo a opinão,  o que vai ser tendência  no próximo verão ou inverno.

Até leio com certa frequência esses blogs. Fico curiosa com as novidades, mas pra falar a verdade muitas vezes acabo fugindo das tais tendências…

 

Filmes na língua espanhola

Desde o ano passado estou estudando espanhol e a cada dia que passa me vejo mais apaixonada por essa língua. Constituem como material de estudo, além das aulas com meu professor Santiago, alguns exercícios na net, programas televisos e, claro, filmes, muito filmes. Pois, como já devem ter percebido, adoro a 7ª arte.

Bem, nas férias de julio deste ano fui para Montevideo, Colonia del Sacramento e Buenos Aires, onde pude gastar “todo” meu espanhol. (as fotos da viagem podem ser conferidas em: http://www.flickr.com/photos/fer_fotos/sets/72157630747020388/ ) Posso dizer que foi um passeio maravilhoso, em que abusei da dose dos alfajores deliciosos, das parrillas e dos belos vinhos uruguaios e argentinos.

Outra façanha durante a viagem foi ir ao cinema. Foi ir  a 4 sessões em cines alternativos, digamos assim. Em Montivideo, fui a Cinemateca 18 – localizada na Av. 18 de julio, talvez uma das mais importantes da cidade – uma sala enorme, como aqueles antigos cine teatros, para assistir a Acorazado http://www.youtube.com/watch?v=qLbr567_NQc.

Um filme mexicano cômico, dirigido por ALVARO CURIEL, que conta a história de um homem que deseja  ir para os EUA, realizar o sonho americano. Um sindicalista desempregado, ou seja, sem dinheiro, realiza uma viagem em uma balsa construída com um velho fusca. Só que, ao invés de chegar aos EUA, depois de uma viagem cheia de percausos, o personagem chega à Cuba. Onde se torna uma liderança por estar fugindo do capitalismo (esse é o argumento utilizado quando se depara com as fotos de Fidel). Dá para imaginar as cenas hilárias provocadas em cada desculpa inventada. Mas não vou contar tudo, pois poderia estragar a surpresa. O filme é engraçadíssimo e chega a arrancar lágrimas de tanto rir. Gostei demais! Ainda por cima consegui entender boa parte do filme somente com audio em espanhol.

As outras experiências ocorreram em Buenos Aires, nas salas do INCAA ou Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuais, localizado na Plaza del Congreso, bem pertinho do hotel que fiquei hospedada. Busquei essa sala, por que, no período que estive na cidade porteña, estava acontecendo o MadridCine, um festival de filmes produzidos na Espanha nos últimos anos. Dentre a programação elegi 3,

Chico e Rita

Esta animação conta a história de um casal cubano que se dedica a música antes da Revolução. A narrativa percorre o encontro e o reencontro dos personagens que viveram uma grande história de amor.

Com a direação de Fernando Trueba, Javier Mariscal, Tono Errando o filme surpreende pela trilha sonora e a delicadez dos traços. Apesar de ser animação, é um filme para adultos que apreciam o jazz.

Pájaros de papel

Este filme, dirigido por Emilio Aragón, conta a históra de uma trupe no período entre guerra, na Espanha de Franco. Conforme a crítica publicada no site do filme http://www.pajarosdepapel.com/ o filme consegue arrancar risadas e lágrimas com a mesma intensidade. Ao falar de amizade, cumplicidade e política. Um dos filmes mais lindos que vi nos últimos tempos.

– Tambiém la lluvia

También la lluvia é um filme distinto dos demais. Aborda uma temática política em dois aspectos, um o da colonização espanhola em terras sul americanas e o outro, o da água, vivido na Bolívia em princípios dos anos 2000, devido a venda da empresa de água no país. A analogia da colonização foi bem feita com o problemas dos índios no país, ainda na contemporaneidade. A direção de Iciar Bollaín convence e garante um ótimo filme, à la “As veias abertas da América Latina”.

Espero que os filmes estreiem logo no Brasil, pois alguns deles vou querer ver mais uma vez.

De qualquer forma, enquanto aguardo esses filmes chegarem por aqui, vou me dedicar a filmes da língua francesa, já que nessa semana inicia o Festival Varilux de Cinema Francês. Mas isso é assunto para outro post.

On the road

Título obvio para um road movie, mas a narrativa nem tanto. “On the road” ou “Na estrada” o novo filme de Walter Sales é de tirar o folego.

O filme de Sales baseado no livro homonimo de Jack Kerouac conta a história de Sal Paradise um jovem escritor que está em conflito para escrever um livro na Nova York no final da década de 1940, após a morte de seu pai. Sal é um jovem boêmio na cidade que não para nuca. Ele e seus amigos viram madrugadas em farras e bebedeiras na tentativa de encontrar um rumo ao som de jazz ou se perderem nas doses de anfetamina e nos baseados (mostrando que os jovens estavam completamente alheios aos acontecimentos políticos e economicos do período).

A história de Sal se altera quando conhece Dean Moriarty. Após esse encontro, o road movie (apesar de eu não acreditar tanto nessa designação) se inicia. O território americano fica pequeno entre tantas idas e vindas de NY para Denver, São Francisco, Tucson… até a Cidade do México… as viagens e as histórias vividas serviram como argumento para o livro de Sal, que enfim consegue concluir.

A obra de Walter Sales, além de uma boa história, possui uma excelente produção (não esquecendo que a produção executiva é de ninguém menos que Copola), bons atores, diga-se passagem: Kristen Stewart e Kirsten Dunst (as atuais queridinhas de Holywwod), além, de uma ótima trilha sonora.

Alguns podem discordar, mas penso que o road de Sales foge do padrão desse tipo de filme e da própria “lógica” cinematográfica. No entanto, ou por esse motivo, se insere como um dos ótimos filmes que assisti esse ano. Walter, podemos dizer, alcançou Holywwod.

Trailer:

http://www.youtube.com/watch?v=ofWypPpQYVc